Por que a Motorola está “abandonando” o Android Puro em prol do software modificado?

Por muito tempo, uma das principais propagandas na hora de vender um smartphone da Motorola, era o fato de oferecer uma experiência de Android mais Puro e isso agradava muitos usuários, principalmente aqueles que adoram seus aparelhos mais fluidos e a liberdade de instalar apenas o que for utilizar. Entretanto, nos últimos lançamentos notamos que a empresa tem deixado isso de lado e vem sendo reclamação de muitos usuários.

Tentando entregar o melhor para os usuários

Uma das maiores possibilidades para tantas modificações e a saída total da linha de “Android Puro” é a tentativa de entregar melhores opções para seus usuários e se sobressair das concorrentes. Entretanto em meio a essas tentativas, encontramos sim modificações muito úteis, que facilitam a vida dos usuários, mas também encontramos aplicações que se tornam inúteis e acabam tomando apenas espaço na memória. A verdade é que existem sim modificações extremamente necessárias, porém deve ser analisado o limite.

Culpa da própria Google

Por mais que o Android seja um Sistema Operacional aberto, existem diversas coisas que a Google “guarda” apenas para os smartphones da linha Pixel, isso faz com que mesmo algumas empresas querendo utilizar, por exemplo, toda a funcionalidade oferecida pelo Google Câmera, não possa.

De início a Motorola tinha acesso a boa parte do que era produzido pela Google, mas isso não ocorre atualmente, pelo menos não da mesma forma, assim a empresa precisa produzir parte do software que deseja entregar em seus aparelhos, com isso temos uma modificação que deve ser feita de qualquer forma, pois caso contrário o usuário não terá aplicativos básicos.

Um grande inimigo da memória

Independente de ser uma aplicação necessária ou inútil, elas utilizam espaço da memória interna e isso está sendo um dos maiores vilões da Motorola nos últimos tempos.

Com tantas modificações feitas no SO, temos como por exemplo o caso do Moto X4, que tinha mais da metade dos seus 32GB sendo utilizado apenas para o Sistema Operacional, deixando o usuário com menos de 16GB para seu uso.

Com isso notamos que as fabricantes precisam utilizar melhor seu software, para que os usuários tenham sim acesso a aplicativos que ajudem no dia-a-dia, mas que não sofram com pouca memória interna.

O post Por que a Motorola está “abandonando” o Android Puro em prol do software modificado? apareceu primeiro em Meu-Smartphone.